SOM DO SILÊNCIO

O SOM DO SILÊNCIO


“When I pronounce the word Future,

the first syllable already belongs to the past.

When I pronounce the word Silence,

I destroy it.”1

Wisława Szymborska

Uma coisa fácil de se notar e que vivemos numa sociedade extremamente barulhenta; carros, cães, ônibus, vento, chuva, pessoas falando e ruídos de fundo. Tudo isto faz da cidade um inferno sonoro.

Mas em primeiro lugar uma coisa precisa ficar clara, não existe silencio!

Nossa condição humana não permite que fiquemos sem ouvir sons (excluindo os casos de surdez). Nossa constituição mantem a audição sempre em alerta. Se você entrar numa câmara anecoica , você começará ouvir seus ruídos, coração, pulsação, movimentos peristálticos enfim todos os ruídos que fazemos, mas nosso seletivo ouvido não retém.

Em geral consideramos que o nível de 40-50 decibéis como silencioso, mas efetivamente não e, ouve-se sussurros e baixos ruídos. Isso se deve a uma labilidade moderna, considerando que não podemos viver sem um nível de barulho.

Sussurro 20 dB
Conversa normal 50 dB
Liquidificador 85 dB
Ipod 115 dB
Avião durante a decolagem ou um trio elétrico 130-140 dB
Importante: O limiar da dor está em 120 decibéis.

Nosso ouvido ouve dentro de um limite de 20 a 20.000 Hz. Que é uma faixa pequena se compararmos com os cães, que em geral ouvem até os 40.000 Hz. Ouvem o que nós não podemos ouvir. Aqueles apitos silenciosos que treinadores usam, por exemplo.

Mas as arquitetas(os) dão pouco valor ao silencio!
O uso de proteção adequada nas casas, ambientes de trabalho e principalmente em bares e restaurantes e quase inexistente. Não é raro o proprietário de um bar ou restaurante gastar um milhão na feitura de bar e se recusar a gastar 10 ou 20 mil na proteção acústica.

Níveis de ruído acima do indicado, reduzem a capacidade de trabalho a razão de 20%, por hora!!! Ou seja, 5 horas de exposição ao ruído a produtividade tende a cair a zero! Como os departamentos de recursos humanos tratam isso ou não e se tratam não se sabe.

Estudos mostram que pessoas sujeitas a exposição de ruídos altos e contínuos e perda de audição tem mais chances de sofrer ataques cardíacos do que as outras pessoas. Nos ambientes de trabalho os efeitos são mais dramáticos pois nem sempre a solução está ao alcance. Ar condicionado, impressoras, pessoas falando, ruídos externos e de fundo e soluções inadequadas de acústica pioram em muito as condições de produtividade. Mas o ruído muitas das vezes e visto como uma coisa natural advinda da neutralidade do edifício. O ambiente nunca é neutro e sempre há consequências para as pessoas. Nós arquitetas(os) deveríamos dar uma atenção muito maior a fim de garantir um ambiente menos ruidoso e mais saudável.

Nossas casas e apartamentos não possuem proteção adequada ao avanço dos ruídos, cada vez maiores nas nossas cidades. Enquanto na Europa e EUA, se utilizam isoladores e vidros até quádruplos no Brasil nenhum investidor ou construtor está muito preocupado com isto. Nossas residências e nossa qualidade de vida ganhariam muito e numa situação em que projetássemos com maior rigor estas questões.

Uma das prováveis razoes para a rejeição ao dry-wall pode estar na falha de não termos paredes que sejam acusticamente eficientes. Isto não se deve a defeitos de material, mas sim a nossa incompetência em providenciar as devidas proteções. Som é como água penetra por todos locais possíveis. Quando olhamos o que é feito no exterior podemos ver que todos os fechamentos estão vedados, portanto, o som não escapa. No caso do Brasil se deve a desconhecimento e uma certa laxidão com os detalhes.

Uma coisa notável, nos EUA, pelo menos aqui em Portland, onde estou em visita, é o silencio nos locais públicos e no trânsito. Ao entrar num restaurante, grandes lojas em shopping uma coisa chama a atenção é a falta de barulho. Você caminha entre as diferentes áreas do supermercado, mesmo com música ambiente, o ambiente e silencioso.

Eventualmente o de ser também um aspecto cultural, sempre que você ouve pessoas falando um pouco mais alto são ou brasileiros ou latinos (mexicanos, colombianos, equatorianos etc.). Nós falamos mais alto e somos mais agitados.
Nas ruas e outro aspecto digno de nota, o quão silencioso é. Não se ouvem buzinas, brecadas ou arrancadas. Raro alguém brigar no trânsito, mas acima de tudo chama a atenção o silencio. Carros silenciosos, caminhões que deslizam sem o menos ruído, motos de grande potência que passam ronronando ao seu lado, e capaz de chamar a atenção de qualquer.

Uma coisa que deveríamos ter no asfalto(voltaremos a este assunto num post futuro) e a adição de borracha de pneus, o que representaria uma solução para montanha de pneus descartados a cada ano e ainda diminuiriam em muito o ruído da estrada, seja para os motoristas seja para quem vive nas cercanias das autoestradas. Em reportagem no site G1 informa que no “sistema Anchieta-Imigrantes, 88 km já estão cobertos com o asfalto borracha, e 360 mil pneus velhos foram reaproveitados desse jeito. O asfalto borracha é 30% mais caro que o comum, mas as vantagens compensam”. A viagem se torna mais silenciosa, mais segura, uma vez que o spray de água dos pneus e reduzido. Isto produziria não só uma rodovia mais silenciosa, mas uma cidade mais silenciosa.


REFERÊNCIAS

1 Brincadeira com a placa, colocou um adesivo no local de perigo e a leitura ficou assim:Não buzine, a não ser com raiva.

2 Uma câmara anecoica (sem eco) é uma sala projetada para conter reflexões, tanto de ondas sonoras quanto eletromagnéticas. Elas também são isoladas de fontes externas de ruído.